5.12.06

 

Toponímia de baixa patente (RPS)

Capitão Pombeiro, Tenente Valadim, Alferes Malheiro, Sargento Abílio. Nomes de ruas do Porto. Que fizeram estas baixas patentes de tão notável, a ponto de serem nome de rua?

Também se verifica o fenómeno em Gaia: Praceta Alferes Pereira, Rua Cabo Borges. Ainda, na praia da Aguda, próximo da Zizi, uma Rua Guarda "qualquer coisa"...
Em Gaia, contudo, uma alta patente, mas desconhecida. Não sei quem é, ninguém me sabe dizê-lo: General Torres. Nome de rua e também nome de apeadeiro. General não é uma patente baixa, mas quem raio foi o General Torres?!

Comments:
A wikipedia diz-me que o General Torres era um dos comandantes dos liberais no cerco do porto.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Cerco_do_Porto
 
"General Português do exército liberal, que durante o Cerco do Porto defendeu a Serra do Pilar do ataque das forças Miguelistas."

Foi o que me saiu logo à primeira na Wikipedia, procurando no google "general Torres".
Hoje o Google resolve qualquer desconhecimento deste género.
Difícil mesmo é saber quem foi (quem é?) Paradela de Abreu.

Já quanto ao Capitão Pombeiro, descobri isto em http://www.arqnet.pt/dicionario/pombeiro1c.html:
Pombeiro (D. Pedro de Castelo Branco da Cunha, 1.º visconde de Castelo Branco e 1.º conde de).

n. [ c. 1620 ]
f. 30 de Julho de 1675.

Capitão da guarda real de el-rei D. João IV, do príncipe D. Teodósio, e por fim de el-rei D. Afonso VI; 12.º senhor de Pombeiro, 7.º senhor de Belas e de Sanguinhêda, 9.º administrador do morgado de Castelo Branco, junto a Sacavém, comendador de Santa Maria, de Amêndoa, na ordem de Cristo, etc.

Faleceu a 30 de Julho de 1675. Era filho de D. António de Castelo Branco da Cunha, 11.º senhor de Pombeiro, e de sua mulher, D. Maria da Silva. D António esteve em 1625 na restauração da Baía, e nesse mesmo ano faleceu, ao regressar do Brasil.

D. Pedro de Castelo Branco herdou a casa de seus pais, herdando de sua mãe o senhorio de Belas, de que era a 6.ª senhoria. Foi nomeado capitão duma companhia de cavalos, por carta de 15 de Julho de 1643, cargo que continuou a exercer junto do príncipe D. Teodósio, e depois de seu irmão e sucessor D. Afonso VI. Por carta de 25 de Setembro de 1649 foi agraciado por D. João IV com o título de visconde de Castelo Branco, em duas vidas. A rainha D. Luísa de Gusmão, regente do reino na menoridade de D. Afonso VI, o elevou a conde de Pombeiro, por carta de 6 de Abril de 1662, último ano da sua regência. D. Pedro de Castelo Branco casou com D. Cecília de Meneses, filha de Vasco Fernandes César, alcaide-mor de Alenquer e de sua mulher D. Ana de Meneses. Falecendo esta senhora sem geração, D. Pedro de Castelo Branco passou a segundas núpcias a 23 de Abril de 1650, com D. Luísa Ponce de Leão, dama da rainha D. Luísa de Gusmão, e mais tarde camarista da infanta D. Catarina, filha de D João IV, que foi rainha de Inglaterra, pelo seu casamento com o rei Carlos II. Era filha de D. Alonso de Herrera e Cordova, e de D. Luísa Paes de la Cadena Ponce de Leão, fidalgos espanhóis; nascera em 27 de Abril de 1623, e morreu em 1707.
 
Isto prova que nem sempre as altas patentes são referencias da nossa história! É talvez o reconhecimento da importancia das ditas baixas patentes, nos pequenos sucessos do país.

Saudações infernais!
 
Quanto ao Alferes Malheiro e ao Sargento Abílio, posso informar que são dois dos participantes do "31 de Janeiro". Esta data comemorada anualmente na cidade é igualmente festejada pelo Clube dos Sargentos do Porto.
 
Uma dúvida me assalta: será que a nobreza de uma rua está associada à patente do militar que lhe dá o nome? Será que a Av. Marechal Gomes da Costa (no Porto) seria a mesma avenida nobre que é, se se chamasse, p. ex., Av. Sargento Abílio ou Av. Guarda Abel?
 
As ruas deveriam ter o nome de pessoas que de alguma forma contribuíram para o bem colectivo ou foram protagonistas de algum acto heroico. Só por serem fulanos de tal, não é motivo que seja louvavel a ponto de lhes porem o nome numa rua!Mas quem sou eu???

Hoje tem cuidado a entrar no meu blog, tenho o dedo leve no gatilho....eheheheh
 
No idea! mas se era liberal esta bem!
Bjicos
 
Parece que a dúvida está esclarecida. Nunca tinha ouvido falar desse senhor e da maior parte dos outros de quem falas...
 
Meu conhecido, de outros lados/cidades que não o Porto ou arredores, só o Tenente Valadim.
Com "esse senhor" já me cruzei.
**************
Tenente Valadim o martir do Niassa / Eduardo de Noronha. - Lisboa : Agência Geral das Colónias, 1936
 
só sabedoria, neste blog ;)
 
Paradela de Abreu era um editor que ficou conhecido no pós 25 de Abril por publicar obras políticas geralmente de orientação direitista. Curiosamente antes da revolução parece que era da oposição. Como outros que fizeram idêntico percurso. Não sei bem se o prenderam no 28 de Setembro ou no 11 de Março.
 
geografia da cidade...são estas as tuas ruas, rps?

e as ideias, as boas, quanto custam, então ;)?

beijo
 
Vou investigar o nome da rua perto do Zizi na Praia da Aguda por afinal moro nessa terra.
Melhor do que isso é o seguinte nome de uma tua também na minha terra: Rua do Eden Club. O raio da rua é um beco se saída e vai dar a um baldio. Onde está o raio do Eden Club? Quem foi o génio que deu esse nome (tipo bar de alterne) a essa rua?
 
Primeiro: A comissão de toponímia da CMP tem que ter essas informações para te fornecer.
Segundo: Essa mania de só dar ruas a gajos importantes é relativamente recente. Antigamente, a rua era de quem nele vivia.
Mas esta questão é gira sim senhor.
 
rs....Av. Guarda-Abel!!!
 
O que eu gostava de dar cabo do mundo...

Mas, não posso.

Por isso apanho um autocarro e vou até a Cabo do Mundo, em Perafita, Matosinhos - e escarro no mar

(...!? Cabo do Mundo deve ser mais que Cabo-Mor !?...)
 
ethachem africaon antiviral peenam photoblog ekeyk travelling heat friday saae revolve
lolikneri havaqatsu
 
Enviar um comentário

<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?